“Pourquoi?” in jornal Diário de Aveiro de 19/Nov/2015

Pourquoi?

No dia 13 de Novembro de 2015 caíram as estrelas, calaram-se as ondas do mar, renderam-se os vulcões, as árvores tornaram-se menos verdes e as flores murcharam, para que alguns fossem cobardes e deixassem outros morrer.

Porquê? Esta é a pergunta que me atormenta desde sexta-feira. Porquê aquelas pessoas? Porquê aqueles locais? Porquê aquele país? Porquê um ato de destruição?

É sensato eu estar a jantar e ser alvo de um atentado bombista? É normal eu ir ao futebol e acabar morto? É normal sair com uns amigos, para assistir a um concerto e acabar deitado numa poça de sangue?

Que direi eu agora à minha filha de 4 anos? Como irei explicar a uma criança aquilo que nenhum adulto consegue compreender?

Que digo eu a quem quer ter filhos? Que os vão criar num mundo insano, violento, estúpido e impune?Pourquoi

Que loucura se vive nos dias de hoje…Muita loucura e muita incompreensão. Se todos nós realizássemos atos de violência para com quem não gostamos, provavelmente o mundo atualmente seria árido e apenas habitável por animais e plantas.

Como é possível um jovem sair de casa sem saber que não lhe restará mais tempo de vida? Como é possível que um casal saia para ter um jantar romântico sem saber que nunca mais verá os seus filhos?

Como é possível que alguém saia para trabalhar sem saber que nunca mais o fará?

Que raio de sentido faz isto tudo? Nenhum.

Não foram apenas as pessoas que morreram naquele fatídico dia, as suas famílias também viram uma parte deles morrer. Não foi apenas Paris que ficou destruída e desolada, pois as nossas convicções enquanto seres humanos foram espezinhadas e ridicularizadas.

Às vezes parece que o mundo está a regredir ao invés de evoluir, às vezes penso que não somos Homo Sapiens Sapiens, mas sim Australopithecus, às vezes penso que não somos seres humanos, mas sim apenas seres (pois de humanos nada têm).

É triste reconhecer o evidente: o mundo é pequeno para a ganância de alguns…

Termino com o seguinte pensamento que li algures no facebook “Se todos déssemos as mãos, não restaria ninguém para segurar uma arma”

 

José Machado

Diretor na ControlPlan Consulting

About the Author: José Machado

O nosso cartão de cidadão:

Nascimento: Existimos desde 2011 a fazer o que melhor sabemos;
Áreas de atuação: Estudos de mercado, merchandising e consultadoria de marketing;
Equipa: Equipa com elevada experiência nas áreas core da empresa. Possuímos ainda uma bolsa com mais de 100 colaboradores disponíveis para todo o tipo de ações com cobertura nacional;

A ControlPlan é a melhor empresa que atua na área dos estudos de mercado, tudo com o intuito de melhor conhecer e entender a vossa marca, bem como o vosso cliente e restantes stakeholders.

A ControlPlan Consulting tem sido um parceiro chave na área do marketing dos seus diversos clientes, e a sua fidelização para com a nossa empresa é prova disso. Não somos um prestador de serviços, somos um parceiro que está sempre disponível para ouvir os seus problemas, dificuldades e obstáculos. A nós compete-nos apresentar-lhe uma solução.
Gostávamos de poder contar consigo como nosso parceiro!